Manuel Tocova detido

A polícia da República de Moçambique (PRM) confirmou esta quinta-feira ter detido, na tarde de quarta-feira (08Nov17) o edil interino de Nampula, Manuel Tocova, sob acusação de porte ilegal de arma de fogo.

Alegadamente, o edil terá alugado o artefacto bélico em 2014 ao nacional Pedro Mahia, um antigo deputado da Assembleia da República pela bancada parlamentar da Renamo, o principal partido da oposição de Moçambique, na condição de pagar ao “dono” da arma 3000 meticais/mês (cerca de USD 50).

Terá sido a falta de honra do compromisso por parte de Tocova que Mahia se sentiu burlado e denunciou que o edil interino de Nampula anda armado ilegalmente, daí as autoridades desencadearem diligências para deter o suspeito e recuperar a arma com mais 100 munições.

Mahia, que também já foi detido pelos agentes do Serviço Nacional de Investigação Criminal (SERNIC), alega ter recebido a licença de porte da arma em 1999, passada pelo Ministério do Interior, numa altura em que era deputado na Assembleia da Republica pelo partido Renamo, presidido por Afonso Dhlakama.

Tocova, na caixa aberta de uma carrinha após a sua detenção pela PRM
Tocova, na caixa aberta de uma carrinha após a sua detenção pela PRM

Estes factos foram confirmados esta quinta-feira pelo porta-voz da PRM em Nampula, Zacarias Nacute, que, segundo a Agência de Informação de Moçambique (AIM), Tocova será presente a um juiz para a legalização da sua detenção.

“Este será um processo sumário e pela sua gravidade deverá ser muito célere. O senhor Manuel Tocova é acusado de porte ilegal de arma de fogo e o senhor Pedro Mahia de alugar arma de fogo”, explicou Nacute a jornalistas.

O porta-voz da PRM disse estarem em curso diligências policiais para se averiguar que uso foi dado à pistola mostrada à imprensa, juntamente com cerca de 100 balas.

O edil interino de Nampula, ora arguido, explicou que a arma está avariada e quando a alugou foi para sua segurança pessoal.

A AIM diz que Mahia afirmou que várias vezes pediu a Tocova para que lhe devolvesse a pistola, uma vez que não honrava o compromisso de pagamento mensal do aluguer do engenho, conforme contrato formal firmado entre ambos.

Depois de apresentados à imprensa, Tocova e Mahia recolheram aos calabouços da polícia Nampula.

O jornal electrónico privado editado em Nampula – Ikweli – cita o presidente do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Daviz Mbepo Simango, a reagir furiosamente à notícia da alegação de que Tocova (do partido “galo”) foi detido e é acusado de porte ilegal de arma de fogo.

“O partido (MDM) não concorda, muito menos compactua que  [Tocova] se encontre [detido na posse de] uma arma ilegal”, terá dito Simango, de acordo com o jornal Ikweli.

Segundo este jornal, no seio da PRM reina a suspeita de que terá sido com a arma encontrada na posse de Tocova que foi assassinado Mahamudo Amurane, no passado dia 04 de Outubro deste 2017, na sua casa em Nampula.

O antigo presidente da Assembleia Municipal de Nampula, Manuel Tocova, ascendeu à presidente do Município da chamada “capital do norte” por força da lei, na sequência da morte de Amurane.

O Governo anunciou esta semana que Nampula deverá passar por uma eleição intercalar no próximo dia 24 de Janeiro de 2018 para preencher a vacatura aberta com a liquidação física brutal de Amurane.

Redacção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trocar »