Docência: como sustentá-la?

Docência: Ser professor, actualmente, é uma tarefa difícil e muitas vezes ingrata. Por muito que se tente fazer o melhor e se esforce para que as crianças gostem da escola, existem muitos factores que, infelizmente, fazem com que a escola se torne num verdadeiro “tormento” para o aluno.

Obviamente não existirão alunos 100% em todas as disciplinas, aulas e trabalhos.

No entanto, existem algumas estratégias simples que podem ajudar os alunos a gostarem mais de estar na escola e consequentemente aprenderem mais.

Primeiramente, para o professor estabelecer a motivação deve libertar o aluno do ambiente deameaça, porque ninguém consegue aprender se o que o motiva é o medo.

A seguir,mudar de cenário:a sala de aula é um bom ambiente para a aprendizagem, isso vai tornar as aulas mais divertidas e dinâmicas.

Após esse procedimento o professor deve oferecer um sentimento de controle. A orientação do professor é muito importante para que os objectivos de cada aula sejam cumpridos/alcançados.

Mesmo assim, os estudantes devem ter a liberdade e algum controlo da sua rotina, para que não se sintam prisioneiros ou obrigados. Tais restrições apenas afastam os do prazer de aprender e dos seus benefícios.

Segundo (Rosa,2000) isso vai fazer com que se sintam responsáveis, muito do desinteresse dos alunos pode estar relacionado com a falta de responsabilidade que estes sentem em relação aos seus estudos e ao futuro profissional que terão para si de acordo com os esforços escolares.

Quem não gosta de ser vencedor? Ninguém. Então o professor na sala de aula pode propor a competição equilibrada e positiva de uma forma casual e não constante, isto é de uma forma doseada, após isso pode oferecer-lhes algo que seja de seu interesse isso irá ajuda-los a serem mais esforçados e encontrarem motivação.

Também é pertinente que o professor reconheça os méritos. De nada adianta os alunos se esforçarem se a dedicação não for reconhecida, isso é o que fará surgir a frustração e a falta de incentivo.

Enfim, o professor deve ajudar os seus alunos a encontrarem a motivação interior, de nada adiantarão os seus esforços se os alunos não se interessarem internamente por aquilo que lhes é apresentado, para que possam expressar os seus esforços.

 

Sara Jacinto Bulo*

 

*  LicenciadaemCiências de Educação

 

Este artigo foi publicado em primeira mão na edição do dia 14 de Novembro de 2017 do jornal Correio da manhã, versão PDF, na rubrica REFLEXÃO PROFUNDA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trocar »