Amurane morto

Mahamudo Amurane, o autarca da cidade de Nampula, norte de Moçambique, foi morto na noite (cerca das 19:00) de quarta-feira por tiros à queima-roupa disparados por um desconhecido, momentos após ter discursado a apelar à paz ao diálogo no país.

“A paz que hoje celebramos reveste-nos de esperanças (…), se todos nós nos apropriarmos da cultura da paz no convívio social e privilegiarmos sempre o diálogo na solução dos nossos problemas”, referiu Mahamudo Amurane, de 44 anos.

O presidente do Conselho Municipal de Nampula discursava nas cerimónias de celebração do Dia da Paz e Reconciliação Nacional, que assinalou os 25 anos da assinatura dos acordos de paz de Moçambique.

Na mesma intervenção, disse que era necessária “coragem para a abertura de novas abordagens de gestão da máquina administrativa do Estado”, defendendo uma maior descentralização do poder.

Fonte policial disse que após a cerimónia, Amurane dispensou o guarda-costas que o acompanhava, um agente policial a que tem direito por lei, para se deslocar a casa, onde acabaria por ser alvejado por um desconhecido.

O suspeito entrou na farmácia do autarca, no rés-do-chão da sua residência particular, dirigiu-se a ele e disparou três tiros, segundo relatou à Lusa Saide Ali, vereador que estava junto a Amurane no momento do crime.

O autarca era membro da comissão política do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), partido que convocou uma reunião extraordinária do órgão para esta quinta-feira.

As relações com o partido tinham tido melhores dias: Mahamudo Amurane admitiu em Agosto deixar o MDM e concorrer à presidência do município de Nampula nas eleições do próximo ano encabeçando outro projeto político.

Lutero Simango, líder da bancada daquela força no parlamento moçambicano, disse que o crime representa “um grande choque” e apelou às autoridades para que descubram o que se passou.

“O que está a acontecer em Moçambique, hoje, é que o crime está cada vez mais a controlar o Estado e isso é mau para a democracia e para tudo”, concluiu.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) afirmou que está a procurar o homem que matou a tiro Amurane com base numa descrição clara feita por testemunhas oculares.

“Há indicações claras feitas pelas testemunhas oculares de que os disparos teriam sido feitos por um indivíduo com características devidamente descritas. A polícia está na posse dessas descrições e temos testemunhas importantes, referiu Inácio Dina, porta-voz da PRM.

Era um jovem alto, tirou a pistola a meio metro do edil e deu-lhe três tiros”, disse à Lusa Saide Ali, vereador que estava junto ao presidente do Conselho Municipal no momento em que foi alvejado, acabando por sucumbir aos ferimentos no Hospital Central de Nampula

O responsável policial disse que serão dados relevantes que “poderão levar à detenção do suspeito”.

Redacção

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trocar »